segunda-feira, 9 de maio de 2011

LABUTA


LABUTA

Também na Wenceslau
A dona Luizinha morava
Com muita dificuldade
Uma vida difícil levava

Apressada ela saía
No meio da madrugada
Pra lenha buscar no mato
E em casa não faltar nada

Ao chegar fazia o almoço
Para aqueles quatro filhos
Que há muito a esperavam

À tarde pra beira do rio
Outra vez pra labuta ela ia

Na cabeça carregava
Carumbé, enxada e peneira
Com o corpo banhado em suor
Garimpava a tarde inteira

13/01/2006

52 comentários:

  1. Bom dia, querida,

    Não é mole, não. Vida dura. Mas o que falta de conforto, Deus dá de alegria e força do outro.

    bjoss


    Bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Uma trabalheira mesmo tinha essa D.Luizinha...

    Quantas assim heim?

    Lindo poema, mais uma vez, Amapola!

    Uma semana linda pra ti!beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Mesmo diante das dificuldades, sempre encontramos forças em continuar!

    Beijocas super em seu coração Maria e linda semana para vc!

    Verinha

    ResponderExcluir
  4. ...É mas como diz a música: vai diminuindo a cidade , vai aumentando a simpatia."
    Quem sabe quanta felicidade mora aí.
    Uma bela semana. Bjs. Edna.

    ResponderExcluir
  5. oi amiga querida,

    mesmo com tanto trabalho
    e esforço físico,
    ela tem o prazer
    e o carinho
    para cuidar de seus quatro
    filhos,
    o amor supera até o
    incansável cansaço...

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. O trabalho de um homem é de sol a sol... mas o trabalho de uma mãe e mulher nunca termina...

    poesia da simplicidade se fazendo tão rica!

    Adorei, Maria!

    Um beijo, minha querida!

    ResponderExcluir
  7. E há tantas assim...
    A babuta que dignifica ou muitas vezes acaba com a VIDA, por não darmos conta dela... principlmente a labuta emocional.
    Grande postagem...
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. ¿Hola? Me gusta este poema que, nos habla del amor y del trabajo, y sin esfuerzo, no hay nada.
    Un abrazo de agradecimiento y estima. Se muy feliz.

    ResponderExcluir
  9. Essa realidade, ainda que já um pouco diferente (com outras tarefas), ainda é muito comum à maioria das mulheres, que, após um intenso dia de trabalho, tem mais uma jornada em casa à sua espera! Adorei o poema!

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde :)
    Adorei o post.
    Alias,estava com saudades de te visitar.
    Vejo que continuar melhorando nos textos *-*

    Beijos e uma otima semana
    .......................
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
  11. Adoro essas suas poesias que retratam a humildade do povo brasileiro.
    Sério, já sou fã seu tem tempo.
    ;*

    ResponderExcluir
  12. Flor, essas pessoas são as que mais me impressionam. Deveriamos aprender com sua determinação, força e simplicidade.
    A humildade é algo que deveria ser obrigatoriedade, pena que hoje em dia é tida como qualidade.
    Bjus no coração,
    K.

    ResponderExcluir
  13. olá
    verdadeiras histórias, com grandes lições de vida.
    por isto adoro as suas postagens querida!

    super beijo
    http://bruhworspite.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Olá amiga
    Não sabia que mulher também garimpava. Adoro suas memórias em formas de poemas.
    Bjux

    ResponderExcluir
  15. Querida amiga, meu blog Devaneios está completando um aninho de vida, e gostaria de convidá-la para comemorar. Tem um selinho lá para você. Tenha uma linda semana. Beijocas

    ResponderExcluir
  16. Na dificil arte de rodar uma bateia, olhos fixos no fundo. A esperança do brilho amarelo, e as vezes apenas o sorriso amarelo.Nem ouro nem prata, na angustia de saber que em casa bocas esperam por um pouquinho desta magia, para saciar a barriva vazia.Bela sensibilidade amiga.Conheci de perto esta arte e estas vidas duras.Sempre minha terna admiração.Meu abraço de paz. Bju no coração.

    ResponderExcluir
  17. lindo texto, mesmo que trate de uma dura realidade.

    ResponderExcluir
  18. Dona Luizinha é uma das bravas guerreiras que trazem orgulho ao nosso país.
    Bonita descrição dessa vida tão sofrida em forma de poesia.
    Uma ótima semana para ti com muitas alegrias erealizações.
    abraços

    ResponderExcluir
  19. Amapola(nome lindo!!!)que lindo poema!Quantas Luizinhas há por este Brasil afora...são as heroínas anônimas que fazem a nossa História.Bjssss,Leninha.

    ResponderExcluir
  20. RETRATO DA MULHER GUERREIRA.
    AMEI.
    ABRAÇO.

    ResponderExcluir
  21. Oi minha amiga,

    Lindo seu poema.
    Um grande beijo da sua amiga,
    *Simone*

    ResponderExcluir
  22. Amada,

    E que labuta...me fez lembrar a vida que minha vó tinha, qdo tinha os filhos pequenos.
    Ia trabalhar na roça todos os dias pra sobreviver.
    E assim criou todos os filhos.
    Tenho tanta saudade dela, minha irmã..

    E assim vamos, nós com nossas labutas.

    Eu adoro passar aqui sempre e ler tão lindas histórias de vida!

    Beijooooo irmã queridaaaa!

    ResponderExcluir
  23. Minha querida

    Como sempre um retrato de tantas vidas, neste belo poema.

    deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  24. Um vez fiz uma matéria com uma família parecida com este seu poema.E a mulher dizia: - minha vida é lutada,marcada,mas é a minha vida...
    eu nunca esqueci desta frase,onde a resignação sobrepurja qualquer vontade. E sempre que chego aqui "garimpo" uma jóia dessas.Bom dia Amapola beijão

    ResponderExcluir
  25. Ah muito bom querida! Adorei, parabéns!
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  26. Sabe amiga, seus versos me trouxeram recordações da vida dura que minha mãezinha teve, só que ela em vez de 4 filhos, cuidava de 12... Hoje ela está com 88 anos e não consegue mais trabalhar, mas traz com ela uma áurea firme e iluminada...
    Amei te ler!
    Deus te abençoe!

    Deixo carinhos meus pra ti, viu?
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Tu escreves tão bem. Suavemente. E pra se vencer nessa vida é preciso lutar muito, batalhar e não é fácil...porém a família é uma linda recompensa...bjo grande ;)

    ResponderExcluir
  28. Olá Maria!
    passando para deixar um beijo em seu coração e avisar que tem um presentinho lá no meu cantinho para você [:)]

    Verinha

    ResponderExcluir
  29. QUERIDA AMIGA PAZ PARA TODOS. mAIS UMA VEZ VC ME EMOCIONA COM AS SUAS HISTÓRIAS BONITAS E EMOCIONANTES E AINDA FEITA EM VERSOS, PARABENS AMIGA. vIM TAMBEM AGRADECER A TUA VISITA E O LINDO COMENTÁRIO. o MEU ABRAÇO LINDÍSSIMA AMAPOLA.

    ResponderExcluir
  30. Ola amiga,
    que poema lindo!
    Eu revivi momentos lindos de minha infância, è duro o trabalho no campo, porem muito especial, pois junta ao aroma da terra eu me sentia sempre muito pertinho de Deus.
    Um grande abraço
    tenha uma abençoada semana.
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  31. Maria,
    Quantos e quantas estou precisando ter em suas veias , no mínimo, 10% do que é a nossa incasável trabalhadora. Com certeza, haveria menos pobres, mais alimentos, menos miséria, mais cobertores, mais saúde, menos frio... O encontro com o equilíbrio!
    Belo texto. Pragmático, mantendo o foco no que é necessário. Nada de nhém, nhém,nhém...
    Bjkas, minha amiga Maria. Cada vez te admiro mais. Uma semana linda e cheia de sol pra você!

    ResponderExcluir
  32. Querida amiga Lena.

    Quem trabalha muito, colhe os frutos, sim. Essa senhora, foi juntando o seu ouro em pó que tirava todos os dias. Num dia, ela garimpou numa prainha bem no centro de Mariana, perto da antiga Rodoviária.

    Ela nos levou para brincar, enquanto ela trabalhava. No final, nos mostrou um tiquinho do pó que brilhava como o sol.

    Ela se mudou para BH, bem antes de nós. Uma de suas filhas se tornou professora. Depois, mudaram-se para os Estados Unidos.

    Aí perdemos o contato. Acredito e torço para que tenham progredido bastante.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  33. Ainda quando encontramos algo ao fim de cada dia de escavação né.... Amiga! Grata pelo carinho viu e saiba que sempre passeio por aqui...

    bj

    Catita

    ResponderExcluir
  34. Adoro essas pessoinhas como a do seu conto, e pelo seu comentário logo acima, real. Essas sim despertam o sentimento da verdadeira luta pela vida, e minha real admiração!

    Beijo no coração!

    ResponderExcluir
  35. Incansável luta, ou melhor, labuta de mãe. Beijos

    ResponderExcluir
  36. Aqui em casa tem uma senhorinha que também passou por essas labutas, deu pra ver bem ela aqui.

    Uma ótima noite!

    ResponderExcluir
  37. Olá Amapola! Beleza de texto! Adorei teu blog e estou te seguindo, caso queira seguir-me também, veja: http://asvozesdomar.blogspot.com/

    Bjs!

    ResponderExcluir
  38. Amapola,muitos textos e poemas que leio aqui me trazem lembranças de pessoas queridas e essa D.Luizinha é uma delas...Mulher simples,mas de fibra,de força e coragem que porta nos ombros o peso de uma família.
    Meu abraço pra ti,

    ResponderExcluir
  39. Olá,Amapola,te agradeço pela visita e comentário. Seu blog é muito interessante.Estou te seguindo!Tenha um dia feliz.
    Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  40. E assim é nossa vida...uma labuta sem fim,,,uma luta pela sobrevivencia do dia a dia...grande beijo de bom dia pra ti querida amiga...

    ResponderExcluir
  41. oie querida
    passando para agradecer a msg de carinho!
    é de grande ajuda neste momento dificil.
    beijos

    http://bruhworspite.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  42. Linda postagem, com a sua marquinha de contar com delicadeza e ternura as lutas do Ser Humano nesse mundão de Deus.

    ResponderExcluir
  43. Linda sua postagem.
    Tudo lindo por aqui! =D
    Muito obrigada por sua visita no meu blog,
    grande beijo, fique com Deus!
    =D

    ResponderExcluir
  44. Amada,

    Sempre maravilhoso receber sua visita!

    Enche de LUZ!

    Um beijoooooo, irmã amada!

    ResponderExcluir
  45. Um excelente final de semana pra ti querida amiga,,,muita poesia e paz...beijos e beijos...

    ResponderExcluir
  46. Ótimo fim de semana,querida!Beijo no seu coração carinhoso e cheio de palavras boas.Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  47. Maria, sempre com suas histórias carinhosas e belas...Um conselho: se não tem, escreva um livro de memórias, tenho certeza que vai fazer sucesso. Ah o meu cd não é para venda, mas quando for a S Paulo, deixo um com a Lívia para ser encaminhado a você, ok? Bjos

    ResponderExcluir