quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

NOSTALGIA


NOSTALGIA

Quando eu tinha cinco anos, minha avó viajou comigo para a roça, e disse que daquela vez íamos demorar mais, porque quando eu fosse para a escola, não poderia acompanha-la nas suas pequenas viagens.

Fomos de trem. Visitamos todos os parentes. Íamos assistir a festa do Rosário, e por isso a última parada foi na casa do tio dela, o irmão de sua mãe.

O tio Manoel Evaristo morava na única pracinha de Acaiaca, onde durante sete dias, as comemorações religiosas reuniam na igreja, povos de toda a região.
Lá já havia luz elétrica igual em Mariana.

Minha avó, com aquela alegria dela, fazia cada local que chegávamos, parecer festivo. Mas na casa desse tio, a alegria era ainda maior. Os risos eram tanto, que a cada gargalhada, eu me certificava de que ali, ela estava realmente muito feliz.

A todo instante, a conversa deles era interrompida por pessoas, que, sabendo da presença dela, entravam naquela casa, para lhe darem um abraço.
Ali, só moravam o tio Manezim, a esposa dele, e um filho dela, do casamento anterior.

O dia estava ensolarado. Naquela praça havia inúmeras barraquinhas que vendiam de tudo. Estávamos na janela, quando passou um monte de homens negros, trajando túnicas muito coloridas e brilhantes, todos com capas bonitas, feitas de lamê. Uns de vermelho, outros de azul, outros de amarelo.
As fitas coloridas dançavam com o vento.
Pareciam os reis magos dos presépios.

Um deles trazia na cabeça, uma linda coroa dourada; e carregava orgulhosamente uma bandeira onde tinha estampado uma imagem de nossa senhora do Rosário.

Eles cantavam e tocavam uma música tão diferente e sentida... cujo som parecia um lamento que vinha do fundo da alma daquela multidão de escravos que no passado, haviam regado aquelas terras; com suor, lágrima, e o sangue dos seus corpos sofridos e injustiçados.

Senti uma mistura de fascínio e dor. Minha avó apontou com o dedo e me disse:
_É folia de Reis... olha que bonito que é!

Ao sentir a sua voz embargada, eu olhei pra ela, e no meio daquele sorriso, vi lágrimas nos seus olhos.
Depois, quando ela notou que aquela magia já havia tomado conta de mim, ela disse: _Pode ir lá fora, pra ver de perto.
Nesse momento, quando saí naquela porta, parecia que eu havia ganhado o mundo, apesar daquele lugarejo ter apenas uma rua e uma praça.

Sozinha, pude admirar aquele espetáculo! Eu os acompanhei, enquanto eles contornaram a pracinha por três vezes.

Depois, foram para o lado da ponte, para seguirem pelos matos. Aí eu tive que parar, mas aquela música já estava impregnada na minha alma.

Como eu não podia mais segui-los, fiquei observando cada barraquinha, achando lindo tudo que via.
Em Mariana eu nunca tinha visto barraquinhas, nem congado, nem folia de Reis.

Eu era apaixonada por doces. Numa das bancas, havia pedaços de doces de todas as cores. Eles eram cortados em diagonal e eram muito grandes.
Eu não resisti e voltei logo pra casa, para falar com a minha avó, da beleza daquelas delícias.

Não lhe pedi dinheiro, apenas falei sobre a cor deles.
Ela sentou-se na cama e abriu a sua mala marrom de contorno de metal prateado, cujas extremidades tinham uns enfeites que pareciam a metade de uma bola, também prateada. Acho que aquilo era parafuso, camuflado de enfeite.

Do cantinho dessa mala, ela tirou um lencinho branco, listrado de azul claro, amarrado por um nó. Colocou-o no seu colo. Desatou o nó, tirando dali de dentro algumas notas muito emboladinhas e me deu, dizendo:
_Vá... E compre os doces que você gosta.
Corri lá, e voltei com um monte deles.

À noite, parecia que todos estavam ainda mais alegres e animados. Depois de um jantar muito gostoso, fomos para a sala, para acompanhar o movimento.

O tio Manezim era moreno, magro, falante, e muito alegre. Entre os assuntos e risadas, ele se levantava da sua cadeira para abraçar novamente a minha avó. Parecia que aqueles abraços eram pouco, diante da alegria de estar perto dela.

Dez horas da noite ele entrou no quarto para se aprontar, e saiu de lá todo bonito, vestido com um uniforme que parecia mais uma farda. Era azul, com lapela branca nos ombros. Parecia um general.

Nesse momento, minha avó olhou pra ele, e orgulhosamente, disse pra mim:
_Tio Manezim tá bonito assim, porque ele toca na banda, aqui de Acaiaca.
Ele sorriu, sabendo que estava abafando. Depois, despediu-se de nós e saiu para um local distante, onde a banda foi fazer o seu ensaio.

Minha avó me disse que deveríamos ficar acordadas até meia noite, para ouvirmos a banda entrar tocando na Vila, porque esse acontecimento, embora fosse com a praça vazia, significava o início oficial da festa.

Fomos pra cama, para descansarmos. Eu deitada no canto dela, cheguei a cochilar, mas quando o som da banda iniciou-se lá longe..., senti um aperto na garganta.

Aquela bandinha não era igual a de Mariana, que tinha a qualidade das grandes orquestras. Mas sozinha... entrando com altivez na praça solitária, tocando aquela música triste, executada por homens de mãos calejadas que, durante o ano todo haviam trabalhado pesado na roça, esperando ansiosos que o mês de setembro chegasse, para fazerem bonito, oferecendo o mehor de si para a nossa senhora do Rosário, era emocionante!

Senti vontade de chorar, sem saber que aquele sentimento era apenas uma pequena demonstração, da imensa nostalgia que iria me invadir, cinquenta anos depois.

Naquele momento, minha avó pensou que eu estivesse dormindo e disse:
_Maria!... Maria!... Acorda... a banda já vem vindo...
Nos levantamos depressa e fomos para a sala, enquanto a esposa dele abria a janela, onde nós três nos debruçamos, para que tio Manezim visse que estávamos vendo a sua banda passar, quebrando o silêncio daquela madrugada de 1956.

05/02/2005

7 COMENTÁRIOS:

Zé Carlos disse...

Não consegui entender por que vc minha menina querida desapareceu dos meus blogs.

Continuo te achando maravilhosa....

Beijos do Zé Carlos

Virgínia Allan disse...

Amapola, gostosissimo post... adorei a leitura rechada de ternura. Lindo mesmo! Beijo, querida, beijo

Sandra Botelho disse...

Que delicia heim...
Como são bons esses momentos.
Bjos achocolatados doce Maria.

*Simone* disse...

Oi querida amiga Amapola...
Lindo esse texto por você escrito... adorei!
Um ótima noite!

Bjos,

*Simone*

Ceci disse...

Sempre gosto de ler teus escritos, são como uma narrativa que me acompanha... e venho atualizar. Obrigada e meu abraço

εїз ViViAn ★ Sbrussi /(",)\ disse...

(¯´•.(¯´•.(¯´•.(¯´•..•´¯).•´¯).•´¯).•´¯)
¸.•´¯´•.¸¸.•´¯´*•*´¯´•.¸¸.•´¯´•..

oieeee!!!

passando rapidinho para ver as novidades!
e desejar uma ótima semaninha!

=D

●๋• ●๋•
●๋•☆ViViAn\\(^_^)// Sbrussi
●๋• ●๋•

Sandra Botelho disse...

Sua memorias são deliciosas de ler...
Bjos achocolatados

POSTAR UM COMENTÁRIO


43 comentários:

  1. Testando para ver se é possível comentar aqui.
    FELIZ 2011 para todos vocês. Muito obrigada pela honra de cada visita.

    Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado kirida pelo comentário, sim eu também fiz vários cursos e trabalho 12 anos com informática, domino a digitação, mas pensei em quem esta começando por isso resolvi postar o game para download, afinal a digitação é fundamental para o desempenho neste ramo... Obrigado, Volte sempre...

    www.psdesigner.com.br/entretenimentos

    ResponderExcluir
  3. sim, também gostei por isso resolvi projetar assim, essa casa que vc diz, vai ser o prédio da Agência PSD Designer Ltda. e quando estiver pronta, teremos uma empresa completa, para criação de artes gráficas, fotos, videos, desenhos 3d e internet... hoje já criamos tudo isso, mas ter nosso espaço é muito melhor neh... bjus

    ResponderExcluir
  4. Muito linda sua história. Esses momentos de infancia tão simples e marcantes são nostalgicos porque a saudades que sentimos é da expontaneidade com que aconteciam. Delícia né?! parabéns! Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  5. Amapola, suas histórias são momentos que nos prende e nos faz voltar ao passado como um filme.
    Um abraço, bjs.

    ResponderExcluir
  6. Que bonitos momentos!
    Obrigada minha amiga pelo seu carinho sempre.
    Bjos,
    *Simone*

    ResponderExcluir
  7. Que belo ! Trouxe-me lembranças do meu avô.
    Ele era músico e tocava nas festinhas dos povoados lá pelas bandas de Caratinga, Entre-folhas..
    Eu nunca vi pois ele se foi eu era ainda mto pequena.
    Obrigada por ser tão presente, no meu espaço conterrânea. Bjss Edna.

    ResponderExcluir
  8. Que lindo texto querida amiga!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Amapola,

    Inimaginável passar aqui, ler suas histórias de vida (Que são uma riqueza) e não me emocionar.
    Já te disse que vivemos muitas coisas iguais né. E esse texto tbm me deu uma saudade da minha vó...como sinto saudade dela.
    Tão bom viver tantas coisas como você viveu amada.

    Beijooooooooo nesse coração de ourooooo que você tem minha amiga e irmã.
    Com todo amor de sempre!!

    ResponderExcluir
  10. Avós deveriam fazer parte da vida de toda a criança. É uma lembrança fantástica.
    Este natal, minha mãe veio para São Paulo e meus filhos amaram. Sempre passamos no sítio, com ela, mas tê-la aqui em casa, em Sampa foi delicioso. Como sempre é estar com ela.
    Recordações assim são tesouros. É isso que aconchega nossa alma. Essa é a música do nosso coração. A música que toca em tom de saudade, mas toca também em tom de agradecimento.
    Agradecer a infância cheia de momentos assim: ternos, mágicos.
    Esses instantes, minha Querida, são sempre nossos. Passe o tempo que passar.
    Não importa!
    Amapola Querida, entro em suas lembranças e quase consigo sentir e ouvir tudo quanto está escrito aqui.
    Vc é singular!
    Meu afeto de sempre. Meu carinho e adimiração.
    Beijo enorme, Querida Amiga!

    ResponderExcluir
  11. Nostalgia linda desses belos momentos vividos...beijos,chica

    ResponderExcluir
  12. Meus sinceros parabéns, afinal, para acompanhar o trabalho de Rosa Zamp tem que ter no mínimo um uma cultura com um nível elevadíssimo. Vc está de parabéns, aproveito lhe informando que já sou seu seguidor e fiel leitor.
    abraçosss

    ResponderExcluir
  13. Bons momentos da vida que jamais sairão da memoria...grande beijo de bom dia.

    ResponderExcluir
  14. Amada,eu ja conhecia essa tua história. Tenho certeza que já a li em alguns dos seus blogs. Possa ser que esteja fazendo confusão.
    Mas eu li com prazer,belas recordações minha flor.
    Gosto muito de te acompanhar.
    Amei o seu comentário lá na minha concha,muito obrigado pelo seu carinho viu!!!

    ResponderExcluir
  15. Obrigada pela visita! Fiquei muito feliz.
    Sei que estou meio atrasada, mas eu queria te desejar um ano maravilhoso e que Deus te abençõe.
    bjss

    ResponderExcluir
  16. Minha querida amiga, vim de trazer um carinhoso abraço e desejar que todos os dias de sua vida, sejam lindos e abençoados...
    Feliz 2011...beijinhos
    Valéria

    ResponderExcluir
  17. Amiga, lindas e doces recordações! Amei te ler, pois me reportou à um passado muito feliz... Deixo carinhos pra ti... Bjsss

    ResponderExcluir
  18. Minha querida suas histórias são sempre dignas de serem lidas, adorei.
    Agradecida pela sua visita e deixo a você o meu beijinho de luz e paz.

    ResponderExcluir
  19. Viajei na estória...rsrs

    Como foi sua passagem de ano minha flor??

    Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  20. Querida amiga Amapola!

    Que delicia entrar em seu blog e ler e reler seus textos. Respondi a um comentário seu em meu blog e repito aqui, você escreve de uma maneira deliciosa e de cotidianos do nosso país que me fazem degustar cada palavra com extremo prazer.

    Que bom que você está de volta!

    Um enorme abraço a você!!

    ResponderExcluir
  21. Aliás, cresci visitando uma pequena cidade de Minas, Alpinópolis, e sempre via o congado, Moçambique, e a folia de reis no fim de ano.

    Me identifiquei muito com este texto.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  22. Folia de Reis, menina quando eu era pequena morria de medo deles. Quando batia na porta pedindo donativos ou o que fosse eu saia correndo.Me lembro bem como se fosse hoje.É vai entender cabeça de criança rsrsrsrsr

    ResponderExcluir
  23. Esqueci.
    O nome da crônica desta semana é : Ah, mulheres de saia!

    ResponderExcluir
  24. SOBRE nostalgia, estou lhe mandando um trecho do video, sobre o filme" ERA UMA VEZ NA AMÉRICA", COM ROBERT DE NIRO.

    A cena é uma lembrança do personagem,sobre sua infância, ao som da música: AMAPOLA !

    Imperdível.

    este é o endereço do YOU TUBE:

    COPIE E COLE.

    http://www.youtube.com/watch?v=cNNBkiPFwEs

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  25. vivo esquecendo tudo:

    Sou seu mais novo seguidor.

    Outro abração carioca:já foram dois ou três? (rs).

    ResponderExcluir
  26. Eu também vivi isso. É um encantamento só. Obrigada por acender saudades tão gostosas.

    ResponderExcluir
  27. Oi Flor!!! Vejo que estás se aproximando de novo depois de longo tempo, e fico mt Feliz com isso, é sempre bom lert-te. Quanto a Nostalgia, acredito que o Fim de Ano faça isso com a gente, mas é bom porque traz inspiração também.
    Bj e grata sempre pela cia
    Bjsssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  28. Que história gostosa de ler, cheia de ternura. Encantei-me com o dinheiro guardado no lencinho e o destino que lhe foi dado; como essas coisas marcam, não é?
    Bj
    Adri

    ResponderExcluir
  29. Oi Amapola,

    Um ótimo ano para vc também, de muitas realizações e bênçãos.
    Obrigada pelo carinhoso comentário e fique à vontade lá em casa, é um prazer ter a sua companhia.

    Beijos,
    Pati :)

    ResponderExcluir
  30. Amapola, Fiz alguma confusão em relação ao teu blog, mas não quero perdê-la como amiga.
    Gosto muito do teu modo de escrever, está passagem que você narra, tem uma semelhança incrível, chega até ser uma coincidência do meu menino, (só que foi com a minha mãe).
    abraços

    ResponderExcluir
  31. Tenho tentado seguir teu blog, mas dá erro.
    Outro detalhe é não conseguir entrar no teu blog pelo teu link "na minha caixa de seguidores."

    Talvez seja falha nas minhas configurações, Se você souber e puder me ajudar, ficarei grato!

    Grande abraço!...

    ResponderExcluir
  32. Quanta nostalgia, mesmo!!!
    Há fatos e coisas que nos marcam desde o dia em que nos acontecem até os últimos momentos...
    Lindo!
    Um belo espaço!
    Abraços

    ResponderExcluir
  33. As lembranças sáo eternas, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  34. Sua história me emocionou.
    É bom estar de volta. E obrigada pelo carinho.

    Meu beijooO*

    ResponderExcluir
  35. Boa noite querida!

    A nostalgia vive me pegando por aqui tbm...Tem coisas que marcam e ficam pra sempre dentro de nós!

    Beijãoo

    ResponderExcluir
  36. BEijo super carinhoso de bom dia,,,otima semana cheia de paz e muita poesia.

    ResponderExcluir
  37. Olá!!Bom Dia!

    Que linda memória!!Doce, sensível e emocionante!!
    Os sentimentos verdadeiros preenchem nosso coração!!
    Lindo!
    Boa semana querida!!

    ResponderExcluir
  38. Beijos, amada..

    Eu comentei aqui, cadê? Rs.

    ResponderExcluir
  39. Querida amiga Priscila.
    Estava desconectada e só voltei agora. Troquei de provedora. Tem acontecido alguns defeitos variados nesse setor. É muito estranho...
    Em alguns blogs eu não consigo comentar.
    Fico muito feliz com os seus comentários, e gostaria que você esse que sumiu.

    Muito obrigada. Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  40. Querida Amapola!
    Um feliz ano novo para si, com tudo do melhor, e desculpa de só estar chegando agora, tinha a impressão que já tinha comentado aqui, mas agora tive a ver e vejo que não.
    O que uma pessoa passa neste mundo, as coisas antigamente não eram muito fáceis não.

    Um grande beijo,
    José.

    ResponderExcluir
  41. Adorei seu blog estarei sempre aqui Bjs

    ResponderExcluir
  42. Cadaq vez que deixar um comentário nos blogs, venho procurar e acabo encontrando todas por onde já passei,rsrsr Por isso, só posso deixar beijos,tudo de bom, chica

    ResponderExcluir